sábado, 30 de maio de 2009

dica 016 - Comprar à prestação



O médio-classista tem que manter um padrão de consumo de acordo com o que ele merece. Mesmo que não tenha dinheiro, o que ele precisar comprar, ele vai. Para tanto, ele deve usar de um artifício que, à primeira vista, pode parecer coisa de pobre: comprar à prestação.
O financiamento é a solução para praticamente todos os problemas da Classe Média. Principalmente o problema de ter o que ostentar na frente dos outros. É muito lógico que aparecer com aquele carro, aquela roupa e aquele relógio para meter inveja em quem quer que seja, vale o sacrifício de ficar anos a fio pagando por isso depois. Imagem é tudo, e ninguém vai saber que os bens exibidos na sociedade não são exatamente seus.
Quando a coisa apertar, sempre dá pra parcelar a fatura também. Isso é importante, porque resolvido o problem, o cartão fica liberado pra mais compras. Mas, em último caso, se a coisa complicar, os valores ficarem altos demais e ficar difícil resolver só com o orçamento normal, o jeito é apelar pras economias da família e quitar a dívida. Depois é só começar tudo de novo.

sábado, 23 de maio de 2009

dica 015 - Correr

Se existe um esporte tipicamente médio-classista, é a Corrida. Ou melhor, "Running": "corrida" é o que faz o pobre atrás do ônibus. Quem é da Classe Média pratica é o "Running", ou seja, corre para se divertir, tirar a cabeça dos problemas da empresa, dar um tempo das crianças e manter a saúde.
O bom desse esporte, para o médio-classista, é não se misturar com quem não está no mesmo nível social. Afinal, pobre nenhum, que já corre o dia inteiro, vai querer se divertir com isso. E se aparentemente o "Running" parece ser um esporte barato, quando se analisa as minúcias, dá pra perceber que é bem caro. Tênis de R$500,00, treinador, academia, freqüencímetro, inscrição para corridas não mais baratas que R$50,00... Tudo isso garante que sua empregada não passará correndo por você e seu grupo de amigos, correndo o risco de alguém reconhecê-la e falar pra todo mundo que a sua empregada corre mais do que você.
Quanto ao desempenho, o que vale é participar. Normalmente as corridas preferidas são as de 5 e 10Km, que se pode correr sem muito comprometimento. Pode andar um pouco no meio do percurso, não tem problema. O que interessa é o final, lá na frente, com um monte de "gente bonita" reunida para desfilar os tênis e os equipamentos caros que vão matar os outros de inveja.
Já os poucos pobres que costumam participar destes eventos, não são motivo de preocupação do médio-classista. Enquanto este se arrasta até a linha de chegada com seu grupo de amigos "do mesmo nível social" (ou "equipe"), os pobres estão lá na frente componto o pódio.

domingo, 10 de maio de 2009

dica 014 - Torcer pelos israelenses e contra os palestinos

Na Classe Média, todo mundo é contra os palestinos, aqueles malucos que se explodem por qualquer coisinha. Isso é fácil de aprender, basta assistir o Fantástico e o Jornal Nacional, ler a Folha, a Veja e o Estadão.
A bem da verdade, esta dica não é tão difícil de seguir. Não é necessário entender o conflito entre Israel e a Palestina. Talvez, sem entender fique até mais fácil. Basta pensar por esse lado: os Estados Unidos apóiam Israel. Logo, você também apóia. Bill Clinton não poderia estar errado!
Então, o que você tem que entender dessa história toda, é: Israel é um país muito sofrido, cujo povo foi perseguido por Hitler na década de 40. E a Palestina é um povo muito louco, que inventou que quer fundar um país no meio da terra que é de Israel, aproveitando-se do momento em que eles, tendo recebido a terra das mãos de Deus, resolveram passear na Europa antes de ir pra nova casa, encontrando mais tarde seu quintal repleto de barbudos. Só que esses barbudos começaram a apelar e matar os israelenses só porque os mesmos querem a terra que deus prometeu pra eles. Quanta ignorância!
Além do mais, os palestinos são feios, mal vestidos, barra-pesada, suicidas, assassinos, e o que é pior: pobres. E Israel passa o maior aperto tentando se defender o tempo todo. Ainda bem que eles sabem que a melhor defesa é o ataque (bota ataque nisso).

quinta-feira, 7 de maio de 2009

dica 013 - Dizer que gosta de comida japonesa

Para ser da Classe Média, você precisa ser chique. E não há nada mais chique, gastronomicamente (que chique!) falando, que se dizer apreciador de comida japonesa.
A comida japonesa é, do ponto de vista da história, um meio que o povo japonês encontrou para não morrer de fome. Por causa dos poucos recursos que os ancestrais dos olhos puxados dispunham, não era possível criar gado, nem dispor de grandes plantações. Vivendo num arquipélago castigado por invernos terríveis, terremotos e pouquíssima área cultivável (toda ocupada com arroz), os japas foram obrigados a recorrer à única coisa que eles têm muito: mar. Tirando os peixes, todo o resto da sua culinária se resume a arroz e algumas ervas. E, note-se, nem um foguinho os caras conseguiam fazer à vezes, pois o peixe é comido cru. Faltavam até gravetos?
Enfim, hoje em dia, a comida japonesa é considerada um luxo. Talvez porque os pobres não gostam. Seja lá qual for a explicação, se você quer ser da Classe Média, aprenda uns quatro nomes de iguarias japonesas, escolha uma para ser a sua predileta, e mande ver nas rodas de amigos. Só há um porém: haverá ocasiões em que você deverá, realmente, comer isso. Para tanto, recomendo ter sempre uns bifes no freezer, para você se servir antes ou depois de sair de casa para esse tipo de compromisso.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

dica 012 - Consumir pirataria

Quem não é da Classe Média e a vê pelo lado de fora, fica a imaginar quanto dinheiro é gasto por essas pessoas para ostentar tanta grife, tantas marcas famosas, tantos aparelhos eletrônicos dos melhores fabricantes. Ao ingressar na Classe, você deverá aprender os métodos pelos quais os médio-classistas conseguem manter esta imagem e, de quebra, guardar um dinheiro debaixo do colchão (de marca).
Para ser um membro genuíno da Classe Média, é necessário aprender a correta postura frente à questão da pirataria, postura essa que é dividida em duas frentes de ação: o discurso, e a prática. No discurso, você deve ser enfático e conclusivo ao dizer que pirataria é crime e é errado. E a prática deve servir como complemento: assim que seu interlocutor for embora, corra para o primeiro shopping popular.
De todos os itens que formam o conjunto de bens de consumo do médio-classista padrão, da sala à área de serviço, da porta de entrada à porta dos fundos, 40 a 80% correspondem a pirtaria. E os itens pirateados se concentram em maior número no vestuário e acessórios, e nos eletrônicos e audiovisual. Portanto, não tenha medo, pode comprar aquele DVD igualzinho o de verdade, aquela camisa, o boné e o tênis. E as mulheres, que não se acanhem em levar as bolsas, roupas, bijuterias. É muito difícil identificar a falsificação, até porque existem maneiras de dificultar esse reconhecimento. Por exemplo: aprenda a gesticular e mexer muito com o braço esquerdo, que ninguém conseguirá descobrir que seu relógio não é exatamente aquele famoso.
Todavia, se você, caro aprendiz, ainda está receoso de que alguém te descubra passeando por uma 25 de março da vida, nada tema: quem souber que você esteve lá, é porque esteve lá também. E não tem jeito de essa pessoa te entregar pra sociedade sem se expor, pois saberão que o cagüeta também esteve lá. Logo, seu segredo estará bem guardado, me mesmo que não estivesse, que atire a primeira pedra o médio-classista que não tem nada pirata em casa.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

dica 011 - Ser contra o Bolsa-Família



Um dos grandes absurdos deste país, para a Classe Média, é essa história de o Governo Federal ajudar pobre. Você, aspirante a médio-classista, precisa aprender a se revoltar contra isso.
Para os integrantes da classe, está sendo cometida uma grande inustiça. Por que, afinal, só alguns podem receber benefícios, enquanto ninguém ajuda quem quer pagar a prestação do carro, o colégio das crianças e as aulas de tênis? Só um país injusto como o Brasil, com o presidente que tem, seria capaz de algo assim.
Logo, o indicado é você pensar que o Lula está querendo ajudar a turminha dele (os pobres do País) e excluindo você das benesses do Estado. Então, reclame que em tudo o que acontece no Brasil, quem paga é a Classe Média. Porque os pobres são assim porque são preguiçosos. Não gostam de trabalhar. E recebendo R$80 todo mês do Governo, aí que não vão trabalhar mesmo! Eles que aprendam com você, trabalhador incansável, se um dia quiserem ter um carro zero igual ao seu!
Depois de aprender a se indignar, passe a defender, entre rodadas de uísque com os amigos, ou nas comunidades de gente "selecionada" na internet, coisas como a criação da Bolsa-Classe-Média, para garantir que o absurdo que você paga de imposto volte pra você, na forma de aulas de balé para a filha, equitação para o filho e um auxílio-guarda-roupa para sua digníssima esposa. Afinal, você já trabalha demais. E esses pobres que cortem mais cana!