sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

dica 039 (parte 1) - Ter espírito natalino





Não adianta tentar fugir: para ser médio-classista, é estritamente necessário gostar do Natal.

O Natal é uma festa que acontece todo final de ano, onde as pessoas louvam um deus sempre retratado de barba, que veio do céu para trazer à humanidade o que realmente importa nesta vida. Trata-se do Papai Noel, carregado com um saco bem grande de bens de consumo. O Papai Noel é uma divindade muito louvada pelos médio-classistas, um personagem criado pela indústria de refrigerantes como o símbolo da festa mais importante para a Classe Média: a época das compras de Natal.

Apesar de ser uma importante e apreciada época festiva, as origens do Natal, tal como hoje é conhecido, não são bem claras. Algumas correntes científicas defendem que a data era utilizada, em tempos remotos, para festejar o nascimento de Jesus, ícone das religiões cristãs. Esta teoria, no entanto, enfrenta forte combate quando exposta ao fato de que sua comemoração ocorre no dia 25 dezembro, contrariando a lógica pela qual o calendário ocidental moderno se utiliza do nascimento do mesmo personagem como marco zero, o que, por dedução, só estaria correto se o mesmo nascesse no dia primeiro de janeiro. A contra-argumentação dos estudiosos que ligam o Natal a Jesus apresenta duas versões para resolver o imbróglio: ou ele nasceu prematuro de 7 dias, ou ele só foi registrado no cartório 7 dias depois, porque os pais moravam na roça e naquela época era penoso e demorado chegar à cidade no lombo de um burro. Ainda não há consenso na comunidade científica sobre o assunto.

O Natal também é a época da afirmação dos verdadeiros valores da Classe Média, e isto ela faz com demasiado talento. No afã de deixar claro que ter nascido no Brasil foi apenas um acidente de locação geográfica, os médio-classistas se esforçam para compartilhar do mesmo tipo de festividades que os grandes irmãos do hemisfério norte, também conhecidos como "mundo civilizado". Abre-se mão do mundialmente invejado clima tropical, que proporciona, por exemplo, noites de agradável temperatura, preferindo ambientar suas comemorações em uma emulação do inóspito clima de nevasca. Em pleno calor causticante de verão, nossos shoppings se cobrem de neve de espuma e isopor. Velhos gordinhos, coitados, são fantasiados de Papai Noel, enfiados em vestimentas, luvas e botas inclusive, desenvolvidas originalmente para que esquimós consigam atravessar vastíssimos desertos de gelo em busca de focas gordas. A tortura se completa com milhares de lâmpadas incandescentes, para tornar o ambiente já quente em uma verdadeira chocadeira, e claro, horas a fio de música instrumental das famigeradas harpas natalinas. Haja saco, hein Papai Noel!



(continua...)

75 comentários:

Anônimo disse...

Sinto pena da classe média, que nunca vai terá por aqui um "white christmas"...

é aí que entra o pacote CVC!

Leonardo Veloso disse...

Natal é uma bosta rheaiurhaer

Mas melhor Santa Claus do que o tal do Vovô Índio dos integralistas reahiurhuaraer

Anônimo disse...

Sem falar no icone dessa epoca,que é o ataque subito de generosidade!
É obrigatorio fazer uma doacao;pode ser qquer coisa:brinquedo velho,aquela roupa que vc nao usa mais,ou mesmo um trocadinho!
Durante todo o ano,nao precisa ser generoso,nem se preocupar com o seu "semelhante",essa cartarse natalina,lhe desobriga pelo resto do ano seguinte,ate o proximo natal!!!

asnalfa disse...

kkkkkkkkkkkkkk
Morri de rir com o registro do JC!
Mas o Natal vem das colheitas dos judeus. Acho que foi isso quando escutei. Ainda bem que sou ateu, portanto, sou medio-classita esclarecido. So gosto do Natal pq tem comida boa na casa dos outros. E não se esqueça de falar do peru no proximo post. Mesmo sendo horrivel, duro e seco nao pode faltar esse simbolo medio-classita na mesa natalina.

Anônimo disse...

Eu sou pobre mesmo!

zizablog disse...

Não tem como contestar os fatos, mas fazer o que? Faz parte da nossa cultura,e se quisermos ter um white christmas temos q recorrer a cvc ou outra similar, hohohoho!!!

Camila disse...

Engraçado como tudo se transforma em forma de dar lucro. O Natal tinha tudo pra ser uma festa bonita, renovadora. Mas não, transformou-se em consumismo e tem como maior símbolo o tal Papai Noel. Lembro que minha irmã chegou em casa contando que a professora tinha falado que o bom velhinho era uma invenção do comércio. Mais tarde, vi as mães das colegas achando tal revelação uma absurdo. Quase vomito.

Anônimo disse...

A pessoa que escreve esse Blog precisa arrumar uma namorada(ou namorado), tá muito mau humorado. É melhor ir acostumendo, o capitalismo chegou para ficar...

Jornalisticamente falando... disse...

Já pararam pra pensar quanta energia elétrica é jogada fora com aquela decoração ordinária e cafona cheia de luzinhas?
Imaginem isso em escala mundial e quanto carbono é jogado na atmosfera.

Rodrigo Cardia disse...

O(a) anônimo(a) que escreveu o comentário das 13:02 precisa orgentemente arrumar uma namorada (ou namorado), pra ver se para de escrever comentários toscos. O blog é de humor, e o cara vem acusar o Pierre de "mau humor"...

De resto, concordo 99% com o post. Só discordo quanto à opinião climática (detesto verão, o que é um motivo a mais para eu odiar final de ano), mas o post tá sensacional!

Anônimo disse...

Cheguei pelo blog pela revista do partido, Carta Capital. Quero dizer a todos que vou ter um ótimo natal, pois todas as contribuições que os médio-classistas fizeram durante o ano inteiro em forma de impostos estão sendo revertidos para mim agora, como meu gordo 13º. Nada como ser filiado ao partido e funcionário público. Mas é claro que isso não faz de mim Elite, pelo contrário.

Talita Guedes disse...

Esse blog classeBAIXAwayoflife é simplesmente deplorável. Muito ruim e sem graça. As piadas são do tipo "ZORRA TOTAL".

Rogerio disse...

Ótimo!!! Ri demais....Parabéns!!

Edoverdrive disse...

Muito bom o post!
E vcs ja viram aquele classebaixawayoflife? Sensacional tb!

Cristiano Freitas disse...

Fiquei extemamente triste com esse post. Concluí que nunca chegarei a ser um médio-classista. Odeio festas cretinas de fim de ano. Não dou presente pra ninguém e se alguém vestido de "papai coca-cola noel" acenar para mim, respondo com um único dedo.
Adeus mundo cruel.
Antes disso: Cadê o resto?
Tá ótimo.

http://classebaixawayoflife.blogspot.com/ disse...

Visitem o classebaixawayoflife!!!

Anônimo disse...

Este post está imperdivel. É exatamente o que sempre pensei.Nunca suportei essa época do ano.Irritante.Nunca comemorei.E as desculpas que a gente tem que dar quando nos convidam pra tal ceia?E a loucura das trocas de presentes? e assim vai...
Mas parabens pelo Blog. Verdadeiro.
abraços
mirtes

Anônimo disse...

Garotos Podres porra!!!!!Alguem ai me da presente de natal?

Anônimo disse...

ahhh eu odeio o verão, mas n tenho a menor vontade de viver num frio de nevar

qd era criança realmente sonhava com o white xmas, mas hj prefiro mil vezes o clima do mediterraneo (não é a toa q rico mora mesmo é em nice, cannes, monaco... isso sim é morar bem)

detesto aquela comilança pesada (só perdoo a rabanada pq aquilo é bom demais) e essa papagaiada de cristianismo (tem coisa mais chata q especial da xuxa - ou didi, ou qq celebridade - fazendo a santa?)

ODEIO ganhar presente ruim... prefiro mil vezes comprar meus proprios presentes e n dar nada pra ngm

Thomás Moutinho M. de Melo disse...

O real espírito natalino é realmente como um espírito, ninguém vê!

Kabral disse...

EU MORRO DE RIR COM ESSE BLOG, RIARIAIRIAIRIAIRA

Ricardo Martins disse...

Esse blog é o paraíso dos niilistas,tipo,não acredito em nada,tudo é falso,tudo é um grande delírio coletivo,teorias de conspiração por todos os lados.
Cuidado...corre-se o risco de se isolar de tudo e todos.

Anônimo disse...

Outra atividade natalina:
Pegar congestionamento pra ver o show de luzes do parque Ibirapuera

Rubens Bias disse...

Putz, faltou falar dos membros que vao fazer compras e reclamam de que todos estao fazendo compras; dos amigos secretos com "o meu amigo secreto, é alto, todo mundo gosta dele...", "marmelada, marmelada"; dos passeios para ver a decoraçao da cidade e do transito dos passeios para ver a decoraçao; da alegria forçada com a idéia de solidariedade só uma vez no ano; das doaçoes às entidades beneficientes pra ficar com o espírito leve;

joana disse...

As luzes de natal sempre me deram essa impressão de incubadeira de granja. Nesse calorão aquele monte e luzes me assusta!

Lidio disse...

Gosto desse blog. Sobre o natal, me divirto com as terríveis e improváveis variações de panetone que inventam a cada ano.

Anônimo disse...

Falta criar a festa de natal com ingressos vips: "NatAL ENCHANTÉ: venha comer seu panetone ao som de Ivete e Xuxa, para toda família!"

Parcelas a partir de 1/5 do seu salário, dividimos em cartão, 1 hg de alimento e um brinquedo velho e quebrado para ~fazer o natal dos pobres

Re Truyts disse...

Já viu o blog do além desta semana?
http://www.blogdomarquessade.blogspot.com/

Sade médio-burguês...

Igor disse...

Não sei se já houve aqui, mas um prato cheio para a classe média são as colações de grau e conseguintes festinhas de formatura. Eles adoram usar terno em situações que exigem esse tipo de traje.

Rodrigo Cardia disse...

Eu já tinha sugerido ao Pierre um post sobre formaturas, mas o Igor lembrou um detalhe fundamental: o terno. Pode estar o maior calor, mas o médio-classista vai querer vestir esse tipo de traje na "recepção"...

A Lesma Lerda disse...

é muito engraçado alguem chamar o pequeno-burguês de "medio-burguês" nao é inadequado, ao contrario, mas que soa engraçado..isso soa.

Anônimo disse...

E gastar muito na Oscar Freire. Quanto mais sacolas de grife v. carrega mais bem visto v. é pelos coleguinhas da classe média.

armando do prado

Anônimo disse...

outra dica para entrar na "classe média" é sempre querer pagar caro ou resolver tudo com uma grana a mais e esnobar juntos aos amigos e outras "castas sociais" que fez um grande negócio ou utilizou algum produto/serviço "superior", "vip" só pra se sentir "único" "exclusivo" tal como nos pedágios que tem gente que paga caro e fica dizendo que é estrada de 1º mundo que "ele" é um "privilegiado" e por isso paga o preço que for...

Armando disse...

e desejar feliz natal para todos, mesmo aqueles a quem odeia.

armando do prado

Anônimo disse...

E o amigo oculto? Prefiro o inimigo declarado. E as festas hipócritas da empresa que a gente trabalha? Gente que sacaneia os outros o ano inteiro chega nessa época dá um prato de pernil com farofa e abraços hipócritas em todo mundo como se fossem as melhores pessoas do mundo.

Anônimo disse...

Outra dica poderia ser gostar de novela!!! E copiar tudo o que seus personagens compram e fazem!

Leonardo Veloso disse...

Esse classebaixa é muito sem graça

Leonardo Veloso disse...

Esse personagem, o Vovô Índio, foi criado nos anos 30 pelo jornalista Cristóvam Camargo, adepto do movimento integralista. Nacionalistas radicais, os integralistas resolveram substituir o Papai Noel por um índio amazônico imenso, que saia pelo ciclo da natividade a distribuir presentes brasileiríssimos entre as crianças. O presidente Vargas, nacionalista extremado também, embarcou na idéia e tentou promover a figura do aborígene provedor das criancinhas nas festas de fim-de-ano.

A substituição, porém, nunca colou. É pena. É preciso admitir que as crianças se pelavam de medo do tal do silvícola natalino. O Vovô Índio parecia mais um daqueles caboclos de Umbanda, que dão consultas e passes com charutos. O Estado Novo - através do Departamento de Imprensa e Propaganda - chegou a decretar que se realizassem cerimônias para receber com festas o personagem nacionalista. Não deu certo.

Houve uma ocasião em que a chegada do Vovô Índio a uma festa de Natal promovida pela Casa do Pequeno Jornaleiro, no Estádio de São Januário, campo do Vasco da Gama, terminou em memorável furdunço. A entrada do aborígene no gramado - de cocar, tanga, zarabatana, tacape e saco de presentes - causou verdadeiro pânico entre as crianças. Em meio a um chororô dos infernos e correria generalizada, um moleque encapetado arrancou o cocar do tupi-guarani e se empirulitou. A criançada, para desgosto dos nacionalistas, começou a clamar em coro pela volta do Papai Noel. Depois do fracasso do evento, o Vovô Índio voltou para as profundezas amazônicas e o Bom Velhinho acabou se afirmando com força total.

Wilton Alexandre disse...

O comentário do Veloso mais uma vez reforça meu pedido que poste como característica da classe média, falar mal de pobre e culpa-los por todas as mazelas do mundo.
O grande desejo dos médioclassistas, é que os pobres entrem caladinho pelos fundos de seus apartamentos, lavem suas cuecas, façam sua comida e dpois saiam igualmente calado pelos fundos e volte para a favela (moderna senzala). E tem que ser etenamente grato e dizer a todos que amam seus patrões.

Genital Lacerda disse...

A pequena burguesia se define essencialmente pelo medo pânico, o terror absoluto de ser confundido com pobre (por isso as patroas são tão implacáveis com as domesticas, para definir bem a linha divisória de classe). Isso tem conseqüências terríveis para as condições de vida de todos..Principalmente dos pequenos burgueses de nosso país: e a realidade mais bizarra decorrente dessa mentalidade é o seguinte: O típico classe media brasileira ganha 10 x menos que seu equivalente dos paises ricos e paga 10 x mais por quase tudo que consome; basta comparar: de telefonia fixa e móvel a creme de barbear, de carros a remédios, de tv a cabo a combustíveis.
E a pequena burguesia espoliada não chia, nem passa por sua cabeça reclamar. E isso se deve tanto a seu natural e bovino conformismo como principalmente, a seu maior pesadelo: não reclama pra não ser confundido com pobre, que supostamente é quem não pode pagar o preço cobrado.
E ele paga e não chia. Sempre.

Anônimo disse...

POST imbecil que só repete feito um papagaio tudo o que o professorzinho de sociologia do PSTU cuspiu na orelha dele.

Uma parcela bem pequena do mundo está coberta de neve em dezembro. E mesmo assim o Papai Noel se popularizou, devido a tradição e uso, não ao gosto de quem quer que seja por neve.

Miami fica nos EUA, o Hawaii também. Em nenhum dos dois locais neva. Nem na Austrália, nem na Nova Zelândia, nem na Espanha, nem na...

Ah, deixa pra lá. Filiadinho do PSOL quer criticar os "colonizados pelos EUA", não parar para refletir de verdade.

Ivan disse...

o classe baixa foi uma tentativa de resposta de um médio-classista contra os pobres, tsc tsc tsc. NÃO RECOMENDO

Anônimo disse...

leonardo veloso, morri de rir com essa historia do índio ahahah

devia ser tipo saci, boto... folclore é a coisa mais assustadora!

graças a deus (força de expressão, ok? não sou religiosa) existiu um homem chamado walt disney que pegou todas as histórias (igualmente pavorosas) q existiam e transformou em contos de fada regados a valsa

ahh gente, vcs tao pegando pesado, hein... não é pq é classe media q trata mal a empregada! e eu n tenho medo de ser confundida com pobre (se confundirem melhor, pq ngm me assalta e ainda ganho altos descontos ahahah)

eu reclamo dos preços, mas adianta reclamar sozinho? =p

Jorge disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge disse...

Recomendo para uma eventual postagem:
" Terapias Alternativas (florais de bach, etc.) "

"(Convite para festa) Em vez de presente traga 1 kg de alimento NAO PERECÍVEL"

Tonino Carotone disse...

Dizer que "AMA A NATUREZA"..(classe media ama tudo) como se ele/ela mesmo/mesma fosse algo externo e estranho à própria natureza...mas pensando bem pode ser isso mesmo.

Anônimo disse...

como faz pra postar?
D;

Anônimo disse...

Os comentários médio-classistas são fonte de inspiração para próximos artigos, hein! Não só odeiam pobres, como também odeiam quem pensa sobre pobreza e mais ainda quem quer acabar com ela...Eles superam qualquer tentativa de descrevê-los. Adorei essa página.

- sáminina. disse...

o pior de tudo é encarar a neve natalina nesse país tropical...

Anônimo disse...

Mas, também, é compreensível. Sem os pobres a classe média (esse ícone da sociedade paulistana) estaria extinta. Sem o essencial que lhes dá sentido de conjunto - a oposição aos pobres - essas pessoas seriam somente elas mesmas. Já pensou?! Seriam catapultados a um vazio existencial sem precedentes históricos.

Taylor de Freitas disse...

Muito bom o humor utilizado no Blog. Algumas pessoas, felizmente ou infelizmente não tem essa compreensão, o que é até compreensível. Mas o que seria a vida sem as diferenças.
Parabens e sucesso.
http://www.taylordefreitas.blogspot.com

Anônimo disse...

O pior é ainda ter de ouvir, em qualquer lugar que se vai, a insuportável seleção natalina de Simone, principalmente aquela versão do John Lennon - deviam condenar o assassino de Lennon a ouvir a versão de Simone todos os dias de sua infeliz existência...

Anônimo disse...

depois do Natal, o verão é uma estação bem "criticada" mas usufruída pelos médios-classistas, basta ver que eles adoram falar e esnobar de suas viagens (pagas em 12 vezes pela CVC) juntos aos seus pares ou membros de classe abaixo...

Lúcio Flávio

Anônimo disse...

pacote cvc. bom tema.

Laura disse...

jesuzinho era judeu e, como tal, foi circuncisado (não sei se tá escrito certo, não vou digitar no google) uma semana depois - no dia em que comemoramos o verdadeiro início do ano.

é bom eu dizer que ouvi essa explicação "por aí" (não vou jogar no google pra confirmar).

feliz natal! rs

Armando disse...

Classe média que faz jus ao nome justifica o sequestro do menino Sean Goldman. Para eles criança não tem vontade, simplemente um objeto. Para essa classe média o pai que se lixe.

Denise disse...

Não li tudo ainda, mas estou começando a achar que não sou clásse média, já que não gosto de natal e nem conheço ninguém famoso. Oh céus!
Gostei daqui.

Anônimo disse...

Sugestao:
Medio-classista que se preze, quando esta prestes a ter um filho, nao comprar roupa para o bebê no brasil. Viaja pra Miami e compra tudo la: roupinhas, brinquedos, fraldas etc. E reclama que nao da pra trazer um BERÇO porque corre o risco de ser parado na alfandega e ter que pagar impostos.

Fernando Z. disse...

Pô cara!! Posta a parte II antes do natal né?!?

Abraço! Parabéns pelo blog!

Anônimo disse...

Alguns comentários ressentidos justificam o blog...devem acertar no alvo.Parabéns.

Wander

Anônimo disse...

Ops...o blog deve acertar no alvo!

Wander

A Mina do cara! disse...

Legal!
A parte do papai noel no shopping é ótima!!!

Felipe Amaral disse...

A questão do nascimento de cristo não ficou boa, porque o calendário com os meses não tem nada a ver com o nascimento de Jesus. O dia de seu nascimento não seria o marco para a contagem dos anos, mas sim o ANO de seu nascimento, que passou a ser chamado ano 1,independente se ele nasceu dia 25 de dezembro, em julho ou em meados de março (alguns dizem ser esse o periodo certo, ah... pouco importa!). O certo é que o natal, que eu adorava quando crinça, se transformou na pior data do ano, em que a hipocrisia humana fica no ápice. É a data em que mais se nota como a classe mérdia é colonizada. Adotam ídolos, vestes, hábitos, comidas se inspirando na sociedade de consumo estadounidense. Aliás, lá podemos ver como o capital desvirtuou esse rito de passagem. Se aqui poucas pessoas ligam a data a nascimento de Cristo, lá isso nem é citado, e olha que é uma nação protestante, fuundada pelos puritanos.

Helio Haaz disse...

Este blog é sensacional, de verdade. Leio toda semana. Retrata muito bem, e com muito bom humor, as atitudes das classes mais abastadas. Só não sei se são atitudes de classe-média mesmo, já que essa classe está na m.... faz tempo. Mas que rola uma invejazinha rola... Sinto aquele ranço de sindicalista e/ou funcionário público, não muito chegado a trabalho, que curte (e/ou curtiu) umas maconhas, estudou em faculdade pública,se acha intelectual, mas que nunca trampou de verdade e que propaga ideias como essas para justificar seu insucesso financeiro.

Anônimo disse...

Sorry, periferia.
Estou em Paris, na Champs Elyseès. com neve e tudo. E vocês aí no Brasil me invejando agora.
hehehehehe.

Anônimo disse...

Vc se sai melhor quando fala do cotidiano das pessoas, e não qd se propõe a fazer piada e estudar história. Gosto muito do Blog, mas não gostei do post. Rampa.

seuvicio disse...

Mesmo quando os post em si não está lá aquelas coisas, os comentários, indignados, ressentidos, irônicos ou simplesmente idiotas como o do anônimo que disse estar em Paris (e eu com isso? Um imbecil é um imbecil aqui ou na Lua, e usar de um contestável poder financeiro para se afirmar, só ratifica as posições do autor do blog sob o objeto de sua sátira) valem a visita.

A história do Velho Índio é matadeira, essa vai entrar pro meu fabulário.

M.Z. disse...

Classe Média e Idade média têm alguma relação?
Ass: Classe C.

Danilo B. disse...

Uma das piores coisas do natal, sem dúvida, é o panetone. Aquela merda é um bolo vencido com frutas que também já estouraram o prazo de validade, ou não se chamariam "frutas secas".

Se panetone fosse bom, venderia o ano inteiro.

Só corrigindo que o papai noel não foi criado pela Coca-cola como muitos acreditam. A única coisa que eles fizeram foi dar um tapa no visual do bom velhinho.

Anônimo disse...

O que não pode faltar nas festas de Natal em família é conversas sobre familiares que lesaram os demais, verdadeiros lalaus que rasparam a casa do parente defunto antes que os demais herdeiros chegassem,filhos que se precipitaram sobre os bens paternos e maternos sorrateiramente,
parentes que se meteram em maracutaias públicas ou privadas ou parentes aposentados com altos salários que não ajudam os parentes pobres, parentes pobres que se encostam...
É infalível!
Marta

Anônimo disse...

A questão no aniversário dia 25 de dezembro faz todo o sentido lógico dentro da mitologia cristã. Na cultura judaica, o nascimento REAL de um homem é feito 7 dias depois, no ritual de circunsição. Ou seja, nasceu dia 25 da barriga, mas nasceu para o MUNDO dia 1 de janeiro (oficializando o calendário romano). Lógico que isso é irrelevante ja que Jesus é uma invenção pra controlar massas. Mas a historinha é bem contada.... rs

Anônimo disse...

Natal é de fato um cú: Um frenesi nos shoppings, aquela obrigação de "ser feliz", ter bom coração e ah, lembrar dos pobres e dar tudo o que é velho e entulha seu armário para a empregada.

Mas, de longe, a pior parte é a terrível angústia pré natalina, aonde temos que decidir se passamos o natal na casa da sogra super católica, devidamente acompanhado de seu sogro cagador de regras e dos cunhados esquisitões. Ou na casa da megera da sua mãe, puta da vida de ter que preparar comida para aquela vagabunda da sua mulher.

Sem falar no patético ritual de dar as mãos para pedir graças à deus por toda aquela comidalhada e pela oportunidade de estar reunido com seu cunhado pilantra e o outro viado.

Assim, este escriba, como todo bom mérdio classista, faz o possível para viajar com a família para longe, bem longe deste ritual macrabro, meticulosamente planejado para encher o culhão até estourar.

Wilson Alves disse...

Não esqueço um natal/fim de ano que passei com a família da minha ex-esposa, por um fato que mesmo tendo-me "matado de raiva" na época, hoje, acho engraçado.
Já era quase meia noite, estavam todos reunidos fazendo a contagem regressiva para explodirem em festejos, quando entrei no lavabo esperando a balbúrdia terminar. Quando, enfim, o barulho diminuiu fui saindo de fininho, mas um dos primos da “ex” que estava de plantão à porta falou em alto e bom som: “Pô cara, todo mundo comemorando e você passou o ano cagando!?”
É phoda!

Anônimo disse...

desculpe a franqueza mas vc fala isso apenas porque não viu a festa que o governo mineiro de aécio neves (acho que ele não é classe média no bolso, mas na cabeça, com certeza!)preparou pra nós na praça da liberdade, em belo horizonte: todos os postes imitando antigos lampeões estavam cobertos com gorros vermelhos (e olhe que são uns 50!), podia não haver temperatura compatível com a neve mas tinha algodão que daria pra fazer um bom estoque pros hospitais do estado, se é que não saiu de lá...Eu, como classe média, que me orgulho e não nego! (acho que essa frase por exemplo...)achei lindo e levei as crianças pra sentir o espírito de papai noel. Jás as renas, ficam pro próximo natal...

Leonardo disse...

Na verdade a data era um festival pagão, se não me engano dedicado a Saturno, Jesus nasceu em outra época do ano, não foi em primeiro de Janeiro também, eles só adaptaram o calendário romano no séc. IV.