sábado, 25 de abril de 2009

dica 010 - Ter sobrenome italiano

Grande parte da Classe Média brasileira tem sobrenome italiano. Logicamente que existem muitos casos de origens em outros países europeus, mas o descendente de imigrante italiano é, por excelência, o médio-classista brasileiro padrão.
Dizer a todos que você tem ascendência italiana vai fazê-lo ser respeitado. Isso porque ninguém dá moral pra quem é nascido de uma família tipicamente brasileira. Não é nada chique, não causa impacto nem tampouco sensação. Afinal, você não gosta deste país, lembre-se disso. E nem quem tem sangue italiano, porque o país deles é muito melhor que o nosso. Se alguém perguntar por que eles vieram pra cá, mude de assunto, afinal, o foco da conversa não é este.
Com um sobrenome italiano, você pode também encher a boca pra falar que o brasileiro é preguiçoso, pois os italianos trabalharam muito e hoje estão bem de vida. E quem disser que eles estão assim hoje por causa do incentivo do Governo Brasileiro, a doação de terras, o fomento à organização em enclaves, é um invejoso. Também torça o nariz se alguém questionar a ética e sugerir práticas ilícitas na acumulação de patrimônio. Dorzinha de cotovelo é dureza!
Portanto, se você quer fazer parte da seleta classe, inclua na sua assinatura algo como Rondelli, Lasagna, Risolli, Calzone e afins. Esta é a dica de hoje, com a bênção do Patrino. Porca miséria!

64 comentários:

Rodrigo Cardia disse...

Pô, sacanagem! Eu tenho sobrenome italiano, hehe...
Porém, ao contrário do médio-classista padrão, eu não vejo motivo algum para me achar melhor que os outros por causa do meu sobrenome. Nem sequer torço pela Itália na Copa (como descendentes adoram mostrar na TV).
Lembro do caso que uma colega que tem descendência italiana me contou: uns parentes dela viajaram à Itália todo orgulhosos de "serem italianos", para encontrarem "ancestrais" que os rejeitaram e mandaram eles irem embora.

Jens disse...

Sei não, sei não... Seria a classe média nativa descendente direta da máfia?

MORALES disse...

CONCORDO PLENAMENTE COM O POST.

Anônimo disse...

sobrenome italiaaano??? que xique! E os quatrocentoes, em que media que ficam?

nitrofurano disse...

e viva Berlusconi! :)

Anônimo disse...

Eu vi uma cena outro dia que ilustra bem esta dica. Eu tava num congresso científico e chegou um palestrante italiano. Uma professora da PUC foi para cima dele dizendo "Meu sobrenome Ciampi", toda orgulhosa. Não dava pelo menos para dizer "Mio (cog)nome è Ciampi"? Faria mais sentido, considerando que o cara não entendia nada de português. O italiano olhou para ela com uma cara de "e o Kiko?" ou de "se você nem italiano sabe falar, tá se orgulhando do quê?".

Cultcoolfreak disse...

No interior de São paulo é difícil encontrar quem não tenha sobrenome italiano. A miséria da itália migrou para as roças caipiras no séc passado, e quase ninguém conseguiu sair dela...

Adilson disse...

e como ficam aqueles de descendência italiana que não compoem a classe média ? bem legal a dica, mas fato é que a colônia italiana, retirante européia, com incentivos do país (o que não era mal negócio pro país) alavancou o crescimento se SP e deixou herdeiros em todas as classes. Esse radicalismo é coisa de médio-classista, cuidado ! Vc autor, me cheira um impostor, um médio-classista infiltrado na esquerda.

Radar de Chato disse...

Adílson -> medioclassista mordidinho com sobrenome italiano [DETECTED]

téia disse...

Autor , autor , voce È um médio classista totalmente vermelhinho e
NOVIDADE ! também totalmente desinformado .A sua primeira dama calada ou muda Dona Marisa Leticia tirou para a familia e filhotes
cidadania italiana , pode ? È o
primeiro casa no mundo, affff !
O blog é bonzinho mas não adianta ,
o ressentimento com a revista Veja , Estadaõ cheira a petralha.
Engana aos desinformados.

Anônimo disse...

Achei todos os itens muito pertinentes, só esse do sobrenome italiano.
E os quatrocentões?


Não generalizemos. Tõ ligado que o cara que escreveu esse blog é BAMBI.

Shurubaca disse...

rsrsrsrsrs adorei, o melhor de tudo é que enquanto eu lia esse post, passava na tv (aberta) uma matéria sobre o orgulho dos moradores da Mooca pelo sotaque italiano e por ai vai!

Anônimo disse...

Nada haver o téia escabrosa: os ptralhas são uma merda, a veja e o estadao sao uma merda, a caros amigos é uma merda, assim como todo essa doença ideológica de esquerda ou direita é uma merda..
E os metidos a italianos que vão pra lá ver o q os italianos xenófobos vão fazer com os "descendentes"? Sou descendente de 3a geração e o nono e o bisnono eram tudo corleone como todos os safados que vieram escurraçados de navio... vao tudo pra pqp!

Anônimo disse...

Nada haver o téia escabrosa: os ptralhas são uma merda, a veja e o estadao sao uma merda, a caros amigos é uma merda, assim como todo essa doença ideológica de esquerda ou direita é uma merda..
E os metidos a italianos que vão pra lá ver o q os italianos xenófobos vão fazer com os "descendentes"? Sou descendente de 3a geração e o nono e o bisnono eram tudo corleone como todos os safados que vieram escurraçados de navio... vao tudo pra pqp!

R/T disse...

hahaha

Boa !

os fanzocas da psdbostada e da tucanalhada que conheço são tudo descendentes desses lixos italianos e se vangloriam disso

essa foi no nervo

Freixo de Espada disse...

Muito boa essa... vale bem para esses nojentinhos da classe-média paulistana, muito bom!!!


É por isso que eu digo: VIVA PORTUGAAAL!!!!

Lucas Santos disse...

ascenderam pq são brancos.

Se os italianos fossem negros, num haveria um juiz ítalo-descendente.

Ja perceberam? nome de juiz ou é alemão ou italiano.

Qdo é um Silva, sobre nome portugues, é um Barros e Silva da vida. Sobrenome aristocrático usa conjunção "e" e "de".

ex: Antonio 'de' Mello 'e' Souza.


Esses nomes embora nem italianos, nem alemães, indicam pessoas mais brancas que uma folha de sulfite.rsrs

Anônimo disse...

aqui no Rio, descender de português tb é chique! mas só se for ascedente direto pq é lindo dizer q o pai fugiu de salazar (mto melhor doq dizer q o avô passava fome na itália)

sempre achei isso uma bobajada, já q o meu sobrenome é quatrocentão, mas nunca me ajudou em nada ahahah

Anônimo disse...

aqui no Rio, descender de português tb é chique! mas só se for ascedente direto pq é lindo dizer q o pai fugiu de salazar (mto melhor doq dizer q o avô passava fome na itália)

sempre achei isso uma bobajada, já q o meu sobrenome é quatrocentão, mas nunca me ajudou em nada ahahah

Anônimo disse...

Meu avo nasceu na Italia, eu tenho sobrenome italiano e isso fez com que eu tivesse oportunidade de morar em Londres e terminar os meus estudos (pago por mim desde que nao sou dondoca) sem a preocupaçao do visto. Me sinto orgulhosa e grata por ter a cidadania italiana, sim, mas nunca me senti importante por isso...

Anônimo disse...

Mas a Itália é um paraíso! La', não há violência, prostituição, corrupção, machismo, preconceito de cor, preconceito geográfico (sei que os italianos do norte tratam os do sul com o mesmo "carinho" com que os separatistas do sul brasileiro tratam, no Brasil, os nordestinos por exemplo (aliás, entre os sulistas brasileiros mais ignorantes, tudo ao norte de São Paulo é "nordeste").

Na magnífica Itália tem até MOVIMENTO SEPARATISTA RADICAL com partido politico oficial, palavras de ordem, passeatas e tudo o mais. Até nas expressões faciais eles tentam parecer Mussolini. Porque PASMEM: de Roma para baixo a Italia e' POBRE e dominada pela MAFIA E PELA CORRUPçAO na politica e no serviço publico. Algo de familiar?
Mas la' não tem roubo, nem assassinato, NEM NADA. E perfeito aquele paiseco.
E ainda há brasileiros que escolhem viver ali e não só viram as costas para o Brasil, mas ainda recomendam cuidados para os que aqui vem fazer turismo, como se vivêssemos em guerra . Não vejo a Itália como um lugar pior que o Brasil, mas não aceito a afirmativa contrária.

Quando morre um estrangeiro no Brasil, o povo faz passeata pedindo justiça, mas eu nunca vi italianos, espanhóis, franceses, ingleses, norte-americanos etc. fazendo manifestações pelos brasileiros mortos por aí afora, sejam eles turistas (que vão gastar dinheiro por aí) ou imigrantes (que dão a esse tal de "primeiro-mundo" a mão-de-obra que ANTES DA CRISE eles se recusavamm a desempenhar.
ANTES DA CRISE SIM, HOJE NAO; Atualmente, como estão matando cachorro a grito, ai do imigrante que OUSAR "ROUBAR" O TRABALHO DELES.
E agora continuem babando o ovo desses sujeitos ordinários, descendentes, ou nativos que "se acham " assim que põem os pés no território brasileiro.

Olivia Colares disse...

seriam os Matarazzo da classe média?


sou da classe média, tenho um sobrenome gigante e nenhum deles é italiano..hahaa

Osmar disse...

Meu sobrenome é Silva, meu sangue é O positivo e sou negro... Povão e ooo!

Anônimo disse...

Ridículo. Acho que você nunca visitou o Brasil.

Francisco Ortiz disse...

Cara demais o Blog! Morri de rir! Boas idéias aqui.

Sugestão de pauta: "Voce acha o Michael Moore um manipulador e acredita em imprensa imparcial" ;)

Orlando Ferreira disse...

O que eu acho mais engraçado aqui é quando a classe média se defende rsrss

Marcelo disse...

Que merda ter sobrenome italiano!, Eu também tenho e não dou muito valor, se sou branco mesmo, pelo menos na aparência, devo à avó do meu avô italiano que era judia-alemã. Gostaria de poder usar meu belo sobrenome germânico : Rosembaum.

Marcelo disse...

Que merda ter sobrenome italiano!, Eu também tenho e não dou muito valor, se sou branco mesmo, pelo menos na aparência, devo à avó do meu avô italiano que era judia-alemã. Gostaria de poder usar meu belo sobrenome germânico : Rosembaum.

Cerkuenik disse...

assim como a nação parmerista, os oriundi não são uma classe média "nobre", vide que quem gosta de se achar não são italianos, e sim o bambis....

isabel alix disse...

Nooooossa! O povo fica mordido, não? (hahahaha)
Então eu sou classe média, é? Puxa vida. Sempre tinha pensado que eu era classe baixa. Pobre. Semi-lumpen.
Mas é que não penso a respeito nem me preocupo onde é que vão me tabular: eu sou eu, e o guri é o didi.
Blog ótimo. Sarcasmo dez.
Abração e continua, tá ÓTEMO.

Carla disse...

Mah! Acho que não deveriamos cair nesses estereótipos e classificações. Brasileiro adora ser "diferente" dos outros, pois tem vergonha do seu Pais, e isso não tem classe. Todos iguais. O Lula, bendito Lula, que está mudando isso. Seja orgulho de sua origem, qualquer que seja, mas, sobretudo, seja orgulhoso de ser brasileiro!
Viva Lula. Viva o Brasil.

Anônimo disse...

Porco zio!
Io sono taliano e non vedo niente di male essere nasciuto cosi. Allora, scusami tutti, ma oggi tutti siamo compagni sotto la globalizazzione. Non c'è piu distinzione tra le nazionalità. Credi quelli che vuole.
Salute a tutti.

Anônimo disse...

Na boa? Qual é o problema em ter ascendência italiana? Não entendi a pirraça desse pessoal que fica chamando esse ou aquele país de "paisinho", "paiseco", e chamando os descendentes deles de metidos, bambis...

FATO, pessoal: a menos que alguém aí seja 100% descendente de índios brasucas (e brasuca é com S, porque Brasil é com S), TODO MUNDO AQUI veio lá de fora. Mesmo os que se acham "povão" por serem "da Silva". Eu tenho ascendência italiana, africana, portuguesa, indígena... Se vocês tiverem um mínimo de curiosidade sobre a história da própria família, vão perceber que são quase 100% estrangeiros.

Finalizando: se os "mordidinhos" aí se ofendem por não terem a ascendẽncia que queriam ter, então não é porque são médio-classistas. É porque são pobres, mas pobres de espírito - que é a pior pobreza de todas.

Claudia disse...

Eu acho que o autor não se referia à as ou descendencia italiana em si, mas ao uso que se faz dela "médio-classisticamente". Tô enganada? Porque não seria possível pensar - no século XXI! - que italiano é MELHOR ou PIOR que brasileiro ou vice-versa. Sou brasileira, sobrenome brasileiríssimo, desses vendidos a metro em banca no Brasil,que adoro e exibo com orgulho, moro na Itália porque meu marido é italiano e quis morar aqui, meu filho de sobrenome meio brasileirissimo meio italianissimo (vendido a metro também) é muito feliz e bem tratado aqui como no Brasil, e a gente sabe muito bem que todo país tem seus problemas e suas glórias e que só muda a posição geográfica. Esse papo de des e as cendência, principalmente no Brasil e na Itália que são dois países mestiços, é absurdo! Parece que o povo que comentou caiu no que o post ironizou. Foi?

Ocontestador23 disse...

Grande serie ,
descreve perfeitamente o comportamento da classe media.

Morri de rir!

Anônimo disse...

P/ TEIA

VEJA, ESTADAO E FOLHA? não é recentimento do bloguista e nem sindrome de petralha....eles sao ruins mesmo....mas vc sim parece ser tucanalha pois eles são os primeiros a usarem o termo petralha

Hamanndah disse...

Querido, a sua amada primeira dama, D. Marisa, além de ter sobrenome italiano, já deixou claro que pediu a cidadania italiana para si e para os netinhos para que os últimos tenham um futuro melhor. Isso quer dizer que ela não confia na capacidade do seu maridinho de dar uma futuro melhor para os brasileiros, você não concorda?

Ludista disse...

Cara muito bom, mas poderia ter desenvolvido melhor a idéia. Mais linhas, é muito classemédio twittar em blog...

Moses Kuhn Besouchet disse...

Na verdade, o que caracteriza o CM típico não é o sobrenome, mas o afã em obter a cidadania italiana. Aliás, nada mais CM do que humilhar-se em filas de consulados e embaixadas para descolar um visto ou um passaporte estrangeiros. Nesse caso, eles não enxergam que haja burocracia, mas sim "o legítimo direito do país do primeiro mundo em se defender da ralé e de terroristas".

Henrique disse...

nd a ver esse.

Anônimo disse...

É verdade que na classe média paulista predominam os sobrenomes italianos, mas é bobagem colocar esse fato junto com os outros nesse blog, que são escolhas. A gente não escolhe a família em que nasce, oras.
Mas falar que os italianos é que são bons e os brasileiros preguiçosos, ou se achar melhor por causa de qualquer ascendência é muita idiotice.
Ah, tenho a maior simpatia pela Itália e vários sobrenomes italianos. Não sou classe média mas acho esse blog muito engraçado.

Anônimo disse...

Eu acho que tem mais libanês, sírio e turco, descendo na hierarquia da classe.

Anônimo disse...

Eu acho que tem mais libanês, sírio e turco, descendo na hierarquia da classe.

Anônimo disse...

Estudei numa escola italiana bem classe média e metida a tradicional e é isso mesmo... eles são extremamente preconceituosos e limitados (auto-limitados, o que é pior ainda; não é que não tivessem condições, simplesmente não querem abrir os olhos). O mais engraçado é que a Itália é uma zona, exatamente como o Brasil ou pior, e os imigrantes italianos que vieram para cá estavam na maioria bem longe de serem ricos... vieram pra ser agricultores de pé no chão, e achando bom, porque na Itália estavam ainda pior. Um dos problema da nossa classe média é que suas raízes estão nos camponeses europeus, que não são conhecidos por serem exatamente liberais...

Chinelo italo-brasileiro disse...

Esse post está errado. Os descendentes de italianos são uns 30 milhões no Brasil, o que não é muito para dar o norte desse pensamento. Esse sentimento de pretensa superioridade da classe mérdia em relação ao resto da população não vem deles, mas de muito antes, da própria cultura portuguesa, da colonização e da escravidão, coisas das quais os descendentes de imigrantes não participaram.
Lembrem ainda que a nossa "ELITE" é quase toda "QUATROCENTONA", portanto PORTUGUESA. Mas a grande maioria dos portugueses não são quatrocentões da elite, portanto não os estou culpando.
E o sentimento de inferioridade em relação a estrangeiros já existia em Portugal muito antes do Brasil ser independente, primeiro em relação à Inglaterra e depois dos EUa e Europa em geral.. E continuou por aqui.
É bem verdade que os descendentes de imigrantes se adaptaram a essa cultura pré-existente, mas não foram eles que a criaram, o que pelo menos exime em parte a culpa deles.
E não esqueçam que a maioria dos italianos não veio para cá com incentivos do Governo ou para receber terras nas colônias, apenas uma minoria, principalmente no Sul. A maioria veio para trabalhar na semi-escravidão nas lavouras de café em São Paulo. E se sujeitaram a isso porque a miséria era maior na Itália.
A bem da verdade, 99% dos brasileiros de todas as origens são descendentes da chinelagem universal, inclusive eu, descendente de italianos, com mais orgulho de ser descendente da chinelagem do que de ser descendente de italianos.

Anônimo disse...

Chique mesmo acho que é sobrenome alemão, que é mais parecido com inglês, não é latino...
Acho ainda que este post está errado, vide os comentários xenófobos que inspirou. E se em SP os oriundi se destacam, no resto do Brasil não tem tantos oriundi, mas esse pensamento de classe média é recorrente em todo o Brasil.
Mais, esse pensamento não é propriamente da classe média média, mas sim da classe média-alta (classe B), que lê Veja e tem dinheiro para isso. A classe média-média (classe C) não tem grana para assinar Veja, sorte dela.

Yuri disse...

Calma lá, maledeto.

Não confunda Mustafá Contursi com Oberdan Catani, pelamor.

Anônimo disse...

Comentário infeliz o seu meu amigo!!!Tenho sobrenome italiano e não me gabo por nada, se nasci aqui, vivo aqui é porque quero e amo esse país que acolheu tão bem minha família nos dando oportunidade de trabalho e de crescimento...não desmereço ninguém, nem por sua origem, religião, cor .... não mesmo!

Graziela Lopes Graná

paulo leinat disse...

o meu nome eu onro..

Maria Clara disse...

Ter sobrenome italiano é classe média, mas ter nome francês é legal, né?

Pendragon disse...

putz, essa foi sacanagem...rsrs

tenho sobrenomes italianos por parte de pai e mãe, mas nem por isso acredito que sou melhor ou pior do que os outros brasileiros. Aqui vale ressaltar: brasileiro é quem nasce no território brasileiro, enquanto que italiano é quem tem sangue italiano. Jus sanguinis, é como chama esse direito.
Mas aqui no Brasil, quero ver quem pode dizer que é puro-sangue. Eu tenho em meu sangue descendência judaica, alemã e guarani. E minha mulher é italiana e negra. Bendita mistura nacional!

Sinisa disse...

PERFEITO AHHAHAHAAHAHAHAHAHAHAHA

exato, cotas pros italianos pode existir, pra negros não...

Rebs disse...

Uma vez ligou aqui no meu trabalho uma moça italiana, que quando soube o nome completo da minha chefe, perguntou se ela era da Itália. Nós todos achamos muito engraçado porque se fosse pelo sobrenome, todas as pessoas da equipe seriam de lá.
Então, quando alguém RARAMENTE vem se gabar pra mim que é descendente, eu respondo: "Você e metade de São Paulo, né?". Até acredito que existam pessoas tontas que se acham realmente superiores por isso.
Mas temos que lembrar que os italianos que vieram pra cá eram super pobres e até mal vistos. Inclusive o meu avô contava que ia no Moinho pegar resto de farinha pra fazer pão e jogavam bomba nos italianos, de raiva. Ou seja, não há nenhum glamour nessa história.
Ao mesmo tempo, não consigo entender qual é o problema de uma pessoa de família italiana gostar da Itália. Do mesmo modo que pessoas de famílias nordestinas, mineiras, etc têm carinho pela cultura destes lugares, os descendentes de europeus também têm carinho pelas histórias que os avós contavam. E é super divertido ouvir causos de avô!!
O que eu estou querendo dizer, pra resumir, é que gostar da Itália é apenas uma questão de carinho para com a própria FAMÍLIA não querendo significar uma rejeição ao nosso país, mesmo porque, quem já foi pra lá sabe que é uma puta zona.

Eduardo Taques Pompeos do Prado Leme disse...

Desde quando ser carcamano é chique!!!
Em todo lugar do mundo, desde Nova Iorque a São Paulo(principalmente)
os italianos sempre foram a classe baixa.´Nem o Matarrazo, que vendia
baixa em Sorocaba e depois ficou rico e ganhou um titulo de Conde
conseguiu sem aceito pelos "quatrocentoes paulistas".
Voces não sabem que em São Paulo era sinal de desprestigio casar com italiano.Todo mundo sabe disso!!!

E povo sem cultura!!!

E povo mesmo!

Anônimo disse...

sei não,
eu que sou classe média e tenho uma TV de plasma de muitas polegadas, aprendi na tv que o brasil foi descoberto pelos italianos, ao contrário do que pensava Jorge Amado, no seu conceituadolivro de história, A descoberta do Brasil pelos árabes. Aprendi chamar minha avó de Nona, a comer polenta e a falar "Vero", de dez em dez minutos, o que ainda vai me promover no trabalho, espero.
viva itália! (não sei se cabe isso aqui, mas já foi, é vero)

Anônimo disse...

Podes crê Maria Clara,

e quem se chama Pierre??? é classe média? ou é superior??

Mr.Garone disse...

Foi a Guerra QUE FEZ MUITOS italianos VIREM PARA CÁ COM SLOGAN DO GOVERNO BRASILEIRO: VENHA E RECOMECE UMA NOVA VIDA.

ELES ACABARAM FICANDO POR QUE SEUS FILHOS ERAM NASCIDOS AQUI, PORÉM ELES DERAM EDUCAÇÃO EUROPÉIA. CONCLUSÃO: OS FILHOS BRASILEIROS NASCIDOS E CRIADOS AQUI, ODEIAM O BRASIL. MESMO SENDO CLASSE-MÉDIA, MUITOS JÁ VIAJARAM PELO MUNDO, FALA VÁRIOS IDIOMAS E SÃO CAPITALISTAS-LIBERAIS.

AO CONTRÁRIO DO BRASILEIROS QUE SÃO SOCIALISTAS E ACREDITAM EM CARREIRA.

Anônimo disse...

Autor, vc deve ser um desses anarquistas com sobrenome italiano. confessa vá!!

Anônimo disse...

Concordo con quase tudo, mas italianos nao ganharam terras coisa nenhuma (ao menos na regiao sul onde vivo). Receberam e tiveram um prazo para devolver o valor em dinheiro ao governo. Isso consta em documentos e arquivos històricos com valores, datas de pagamentos feitos e o devido tamanho das terras.

Anônimo disse...

"Também torça o nariz se alguém questionar a ética e sugerir práticas ilícitas na acumulação de patrimônio."

Médio-classicista que se preze é ladrão. E bota a culpa nos pobres.

Anônimo disse...

AHAHAH ...

e como fica os pobres mortais como eu que tem Sobrenome Portugês,Italiano e o ultimo é Silva???
pois é isso existe... minha avó é Italiana e meu ultimo nome é Silva!

ah... eu moro em uma favela ;)

Verdadeira Italia disse...

Cara,a classe média se ilude.Na real, o brasileiro se ilude com a Italia e seu lobby italiano.Os italianos que foram ao Brasil eram guerreiros,pobre e batalhadores mas quem mora aqui na Italia praticamente desconhece a historia deles.Desconhecem a colonizaçao italiana no Brasil(lembram sempre da Argentina).O Brasil é mais conhecido pelo futebol e a mulher brasileira que eles conhecem quando vao fazer turismo sexual.Alias, o pais é uma baixaria e corrupçao com maracutaia so so e nao tem nada a ver com a imagem da novela sentimentaloide para descendentes.Quem nasce no Brasil é brazuca e temos que parar de querer ficar devendo coisas para nossos antepassados.Respeita-los basta mas o futuro é hoje

Anônimo disse...

Estão todos terrivelmente iludidos. Quando a dor e morte chegam todo o orgulho do ter cai por terra. Como disse o poeta: Somo iguais na dor.

Carol Oliveira disse...

Que podre.