domingo, 19 de abril de 2009

dica 008 - Ter um Pet

Existe uma espécie de regra para admissão na Classe Média, que consiste em ter um "Pet".
Um Pet é uma espécie de cachorro de estimação (podem ser outros animais que nada produzem também, como gatos e pássaros), onde todo o trabalho de tratamento e manutenção do bichinho é terceirizado.
Para ter um Pet, é necessária uma série de cuidados. A começar pela aquisição. Pets só podem ser comprados em canis especializados, com uma série de documentos de comprovação da dinastia do animal (sim, eles têm sobrenome). Adquirido o Pet, será necessário contar com um serviço de "Pet Shop", onde o bichinho irá toda semana para manutenção e higiene. Neste estabelecimento também será possível encontrar uma dúzia de artigos obrigatórios, como roupinhas, brinquedos, coleiras com corda retrátil, ossos de mentira e tudo que é produto para que o animalzinho seja um Pet, e não um cachorro (quem tem cachorro é pobre).

E também é necessário ter uma empregada, para alimentá-lo, fazer carinho e passear com ele. A empregada também deverá ser responsável por incluir nas compras o alimento do bicho, que deve ser uma ração própria para a cor, a idade, a raça, o porte, a temperatura ambiente média e o timbre do latido.
O Pet é como um membro da família. Pode assistir televisão no sofá, abrir a geladeira, dormir na cama dos donos e até ganhar beijo na boca. Por isso, às vezes você terá que ter jogo de cintura para conter o ciúme da emprega, que também é da família, mas logicamente demanda menos investimento que o Pet, além de não poder assistir televisão no sofá. Se isso acontecer, a solução é simples: diga a ela que se houver conflito entre ela e o Pet, a família terá de abrir mão de um dos dois. E ela vai saber quem vai dançar caso você se zangue.

24 comentários:

Silvia Small disse...

Não basta ser pet, tem que ser POODLE BRANCO com focinho tosado e pom-pom no rabo...

aurisson disse...

Concordo com a análise, mas fico com pena dos animais por serem nada mais que uma materialização da alma estravagante de seus donos.

Anônimo disse...

morri de rir nessa ahahaah

concordo totalmente, as pessoas q fazem isso são mto vazias (o coitado do bicho vira mais um acessorio de luxo)

a primeira coisa q as suburbanas (q enriquecem) fazem é comprar um poodle ou yorkshire! aquele vira-latas q elas alimentavam não vai poder se mudar pra zona sul com eles, né? =p

Anônimo disse...

Gente, o blog de vcs eh bem escrito e muito chato !!! Pouco me importa o que a classe media faz ou pensa...
Que azedos, credo.

Anônimo disse...

Ué, Lula tem um pet e ainda mandou carro oficial buscar o cachorro.

Porque ele não vendeu o bicho e deu dinheiro para o fome zero, para dar exemplo para a "classe média sem consciência social"?

Dani Freitas disse...

A minha é um poodle branca, com focinho tosado e um pom-pom no rabo :~

Hamanndah disse...

Eu tenho 3 gatos. Sempre tive gatos, mas cuido muito bem deles.
Todos os tres são vira latas, nunca tive gato de raça comprado em pet shop.

Amo os bichos e não me sinto vazia e fútil por dedicar meu amor a eles

Ana Paula disse...

E as madama que têm porco e vão passear na Oscar Freire com os bichinho? Hilário!

flornoasfalto disse...

Definitivamente, e eu já tnha observado isso: Poodle é uma praga da classe média! Arg!

Catherine Barbosa disse...

Bom mesmo é um ter um lulu que come resto de comida...

Anônimo disse...

E eu tenho um pet, e a vida dele é exatamente como está na sua descrição... ;)

Anônimo disse...

a empregada tambem?

Luana disse...

Hahahaha, que amor esse cachorrinho da foto, parece algodão... ah, e ele não é um poodle não... é um Bichon Frisé...hahahaha. Muito engraçado este blog...

Marcos disse...

Ah comunistazinho de merda, vá enfiar uma banana no cu e vê se cresce. Aposto que na vida real você é um porre que ninguém dá atenção..

OLHA MAMÃE!! VIREI COMUNISTA!!!

uaeahuaeuhae

Anônimo disse...

Genial! Simplesmente genial este post! Corresponder exatamente à realidade!
Aí vê uma criança dormindo na rua e faz cara de nojo.

Rebs disse...

Você esqueceu de falar que quando o "pet" dá trabalho, o médio-classista joga o pobre bicho na rua.

Anônimo disse...

Sim concordo com Rebs. A primeira "CAGADA" no lugar errado e muito médio-classista logo dá um jeito nisso... vai numa pracinha, abre a porta e rua pro cachorro.. e ainda pensa: Ah Deus vai cuidar dele e ele vai ficar bem!

Cristina disse...

Eu adorei o blog todo, mas essa do Pet foi demais...só que vai se desatualizar em pouco tempo, pois os pudles(?) já chegaram na favela...e a moda depois que chega na favela, não tem mais graça para a classe média...então eu me pergunto: o que vai se fazer com tantos pets? coitadinhos...a vantagem vai ser pras empregadas.

**Dre** disse...

OTIMAAAA!! RI MUITO!!!

Anônimo disse...

HAHAHAHAHA!!

Acho que o púdol deveria ser decretado o símbolo oficial da classe média!! e mais, deveria ser bem gordinho e cabeçudo e ser chamar Faustão!!!
quer dizer, púdol não... Bichón Frise!!!

Anônimo disse...

Os Poodles não tem culpa da falta de senso da classe média.

Poly disse...

Maravilhosa!
Essa postagem é simplesmente maravilhosa!
Conseguiu extrair de mim ótimas risadas ao identificar alguns médio-classistas, com os quais convivo, além de muitas semelhaças comigo.
Amei!

Anônimo disse...

Eu não considero minha empregada como membro da familia

Marcelo Marques Costa disse...

Ele na verdade está fazendo uma crítica de coisas absurdas. Por exemplo, se é pra terceirizar o carinho ao bicho pra que ter um? Só pra fazer parte de um grupo que, na crítica, é a classe média?